quarta-feira, março 12, 2008

Rostos da Noite

Degustei um poema na mesa de um bar. Senti uma vontade danada de tomar tequila, nesse alto final de verão.Huuuuuuuum! Adoro esses poemas inspirados no universo dos bares. Lá, surgem canções, poemas, desabafos e gargalhadas diluídas no som da noite urbana.
Senti falta dos amigos... essa emoção no poema, escrita num guardanapo, olhares se cruzando, ao fundo, o som de MPB e Jazz.
Adoro o tilintar dos copos e talheres. As gargalhas roucas, loucas e poucas. O burburinho lá fora...
Indo à calçada, vemos um menino de rua a pedir "uns trocados" e velho bêbado a mendigar os restos da noite.

Um comentário:

Regina Araujo disse...

Raimundo, você sempre surpreendendo a todos. Está lindo e muito poético seu blog. Cá entre Nós, você arrasou! beijoks!Shalom!